Na Grécia, para caminhar ao lado de migrantes

A Grécia é o primeiro porto de escala na União Européia para pessoas que fogem da guerra e da perseguição. Aqueles que chegam aqui muitas vezes se encontram sozinhos, forçados a viver nas ruas. Os voluntários da Comunidade do Papa João XXIII, juntamente com a Operazione Colomba, visitam as pessoas que vivem dentro e fora dos campos de refugiados para oferecer-lhes apoio e serviços e monitorar e denunciar as violações dos direitos humanos que sofrem. Sua presença é fundamental: apoiá-los nesta jornada de paz.

Na Grécia, para caminhar ao lado de migrantes

A Grécia é o primeiro porto de escala na União Européia para pessoas que fogem da guerra e da perseguição. Aqueles que chegam aqui muitas vezes se encontram sozinhos, forçados a viver nas ruas. Os voluntários da Comunidade do Papa João XXIII, juntamente com a Operazione Colomba, visitam as pessoas que vivem dentro e fora dos campos de refugiados para oferecer-lhes apoio e serviços e monitorar e denunciar as violações dos direitos humanos que sofrem. Sua presença é fundamental: apoiá-los nesta jornada de paz.

Conhecer migrantes na Grécia significa reconhecer sua dignidade e compartilhar uma parte da jornada com eles - Marco, voluntário

A Grécia é o primeiro porto de escala da União Européia para pessoas que fogem da guerra e da perseguição: os migrantes chegam às margens de uma das ilhas do Mar Egeu em barcos improvisados ou atravessam a pé a fronteira terrestre entre a Turquia e a Grécia, e se encontram encalhados em um lugar onde experimentam mais privações desumanas, um limbo de espera cansativo, o fantasma da deportação e o terror da repulsão violenta.

Aqueles que chegam à Grécia podem se encontrar confinados em um acampamento fechado, onde a assistência médica é escassa, as crianças não têm acesso à escolaridade, não há segurança para a segurança das mulheres e das pessoas vulneráveis. Aqueles que conseguem se mudar para Atenas muitas vezes se encontram nas ruas, sem serviços, apenas para enfrentar a mesma insegurança e os riscos de serem levados de volta ao país de onde estão fugindo.

Voluntários da Comunidade Papa João XXIII e da Operazione Colomba, o corpo de paz não violento da Comunidade, escolheram compartilhar sua vida diária com essas pessoas: mulheres, homens, famílias inteiras que vêm dos países mais devastados pela guerra. O encontro pessoal é o coração da presença, pois remove o rótulo de "migrante" e se concentra em sua dignidade como seres humanos, que simplesmente buscam melhores condições de vida para si mesmos e suas famílias. Os voluntários visitam as pessoas que vivem dentro e fora dos campos de refugiados, tentam trabalhar em rede com outras associações e realidades para oferecer ajuda e serviços, monitorar e denunciar as violações dos direitos humanos sofridas.

Para fazer tudo isso eles também precisam do seu apoio: são necessários fundos para garantir a presença constante de voluntários (vôos internacionais, alimentação e hospedagem), para viajar também para as ilhas, para monitorar as rotas migratórias nas fronteiras da Grécia, para oferecer as necessidades básicas e assistência legal às pessoas mais necessitadas.

Com sua contribuição, você acompanhará uma parte da jornada daqueles que buscam uma vida de paz e segurança para si e suas famílias.

4.470 €

22%
20.000 €
79 Doações
6 Captação de recursos

APOIAR O PROJETO:

criar sua própria campanha de arrecadação de fundos ou fazer uma doação para uma já ativa

APOIAR O PROJETO:

crie sua própria campanha de arrecadação de fundos
ou faça uma doação para uma já ativa

Compartilhe
Conhecer migrantes na Grécia significa reconhecer sua dignidade e compartilhar uma parte da jornada com eles - Marco, voluntário

A Grécia é o primeiro porto de escala da União Européia para pessoas que fogem da guerra e da perseguição: os migrantes chegam às margens de uma das ilhas do Mar Egeu em barcos improvisados ou atravessam a pé a fronteira terrestre entre a Turquia e a Grécia, e se encontram encalhados em um lugar onde experimentam mais privações desumanas, um limbo de espera cansativo, o fantasma da deportação e o terror da repulsão violenta.

Aqueles que chegam à Grécia podem se encontrar confinados em um acampamento fechado, onde a assistência médica é escassa, as crianças não têm acesso à escolaridade, não há segurança para a segurança das mulheres e das pessoas vulneráveis. Aqueles que conseguem se mudar para Atenas muitas vezes se encontram nas ruas, sem serviços, apenas para enfrentar a mesma insegurança e os riscos de serem levados de volta ao país de onde estão fugindo.

Voluntários da Comunidade Papa João XXIII e da Operazione Colomba, o corpo de paz não violento da Comunidade, escolheram compartilhar sua vida diária com essas pessoas: mulheres, homens, famílias inteiras que vêm dos países mais devastados pela guerra. O encontro pessoal é o coração da presença, pois remove o rótulo de "migrante" e se concentra em sua dignidade como seres humanos, que simplesmente buscam melhores condições de vida para si mesmos e suas famílias. Os voluntários visitam as pessoas que vivem dentro e fora dos campos de refugiados, tentam trabalhar em rede com outras associações e realidades para oferecer ajuda e serviços, monitorar e denunciar as violações dos direitos humanos sofridas.

Para fazer tudo isso eles também precisam do seu apoio: são necessários fundos para garantir a presença constante de voluntários (vôos internacionais, alimentação e hospedagem), para viajar também para as ilhas, para monitorar as rotas migratórias nas fronteiras da Grécia, para oferecer as necessidades básicas e assistência legal às pessoas mais necessitadas.

Com sua contribuição, você acompanhará uma parte da jornada daqueles que buscam uma vida de paz e segurança para si e suas famílias.
Compartilhe

Arrecadação de fundos em apoio ao projeto

APG23

Dai Ci Stai? É a plataforma criada para criar campanhas de arrecadação de fundos online em apoio à Comunidade Papa Giovanni XXIII, que por mais de 50 anos ao lado de quem precisa.

Você precisa de alguma ajuda?

Como funciona?
Escreva para sostenitori@apg23.org ou ligue para 0543.404693de segunda a sexta-feira (horário de expediente).

Siga-nos em